Pedras na igreja

                Estive pensando muito sobre a passagem em que Jesus conversa com a mulher samaritana que estava junto ao poço. Não sabemos muito sobre a história dela, exceto que era considerada como uma prostituta; a lei permitia que as mulheres tivessem até cinco maridos, após isso era adultério; esse é o estigma pelo qual a conhecemos até hoje. Uma mulher adúltera que estava ao poço. Ignoramos, na maior parte do tempo, o seu ministério posterior a isso, deixamos de lado o fato de ela ter aceitado a palavra de Cristo e ter chamado outras pessoas à presença dEle.
                O mesmo acontece em nossos dias quando olhamos para nossos irmão e, em vez de olhar para a frente, ficamos procurando erros para apontar. Qual o ser humano que nunca errou? Essa é um questionamento célebre, pode-se dizer, quando Jesus estendeu sua mão para uma mulher que havia pecado. Por que os ensinamentos do mestre do amor estão sendo deixados de lado? E isso não é de agora, o tempo todo, ao longo dos anos, sabemos de pessoas que apontam, julgam, jogam pedras aos que na verdade precisam apenas de uma mão estendida.
                Quando alguém começa a visitar a igreja e vem carregado de uma história triste, vê-se muitos irmãos prontos para apoiá-lo; a coisa muda de figura quando uma pessoa que já está na igreja, conhece a palavra, tropeça. Ninguém abre os braços, ninguém quer ir e liberar palavras de benção e ânimo, mais fácil é apontar o erro, falar do pecado do irmão. Para esses, eu digo: lembre-se que se esse irmão cair, você será culpado pelo seu sangue.
                Nosso maior exemplo de vida é Jesus Cristo, este que assentou-se à mesa com pecadores, apesar das críticas dos fariseus; este que curava leprosos, sem desprezo, sem nojo, os tocava e sarava; nosso exemplo vem do Senhor que ao ser tocado por uma mulher com fluxo de sangue a chamou para perto de si, em vez de afastá-la, afinal, segundo a Lei, uma mulher menstruada ou com sangramentos era retirada da casa e não deveria ser tocada. O nosso Jesus é aquele que abraçou a todos, Ele mesmo disse que veio para os doentes, não para os sãos. Os doentes precisam de médicos, e é por isso que nós, pecadores, buscamos a Deus, para que sejamos curados de nossas falhas e erros, porém essa busca é constante, pois no momento em que nos considerarmos curados estamos negando Jesus. É como dizer a Cristo: “Senhor, já fui curado, sou perfeito, não há mais o que tu possas fazer aqui.”. Todos precisamos urgentemente dEle, especialmente se nosso coração estiver endurecido ao ver a fraqueza e o sofrimento daqueles que nos rodeiam.      
                Recentemente compartilhei nas redes sociais um texto que retratava um diálogo entre uma senhora evangélica e seu pastor. Ela falava indignada, sobre uma mulher que entrara na igreja na noite anterior usando uma mini saia, uma falta de vergonha, roupa que não condizia com o ambiente; orgulhosa de sua atitude, contou ao pastor que falou para a mulher se retirar e tomar vergonha na cara, pois aquele ambiente não era para promiscuidade. Nesse momento o pastor sabiamente começa a conversar com a senhora e falar que aquela poderia ser uma prostituta, talvez aquela mulher não tivesse outra roupa, talvez ela colocou o que considerava sua melhor vestimenta para visitar a igreja e talvez essa mulher nunca mais voltasse depois de ter sido desprezada pela senhora. O texto segue até a senhora se arrepender e ir atrás da mulher pedir-lhe perdão. O ponto é: quantas pessoas, dentro das igrejas, tem servido de pedra de tropeço para aqueles que, com sinceridade e simplicidade no coração querem buscar ao Senhor? Quantas pessoas mais precisarão cair para que as igrejas despertem e vejam que é necessário cortar esse mal pela raiz?
                Jesus foi o maior quebrador de paradigmas que conheço. Ele tocava em leprosos, estendia a mão para prostitutas, fazia a obra do Senhor no sábado, quando, segundo judeus, deveria estar descansando; sendo judeu, conversou com uma mulher de Samaria, aceitou ser tocado por uma mulher com hemorragia, tocou um cadáver e o ressuscitou. Ele se fez homem para pregar aos homens, pense na honra dos homens que andaram ao lado do Filho de Deus, pense no privilégio que temos de sermos salvos por Ele. Por que atrapalhar outras pessoas de alcançarem esse mesmo privilégio?
                Sempre se repete sobre como nosso inimigo gosta de apontar nossos erros e fazer nos sentir sujos, quando na verdade somos lavados pelo sangue de Jesus. Logo, quem fica apontando os erros e falhas dos irmãos, é o que? Responda para si mesmo e pense se não está tendo uma atitude de enviado do diabo para acusar os que te cercam. Quando pedimos perdão a Deus, nossos pecados são esquecidos, quando há arrependimento verdadeiro, o Senhor apaga nossos erros e nos permite começar de novo; mas o inimigo de nossa alma, quer ver os filhos de Deus revirando a lama, preocupados com coisas que já não precisam ser lembradas, ele quer que percamos a fé e acreditemos que o Pai não quer mais nossa presença, que não somos dignos de orar e pedir bênçãos. Mas é nesse momento que precisamos ser fortes, porque quando o inimigo se levanta significa que o Senhor está pronto para derramar suas bênçãos e trazer vitória e é exatamente isso que o diabo teme, por isso se esforça para nos fazer ficar olhando pra trás.
                Quando ver um irmão tropeçar, ore por ele, sustente, seja suporte; é para isso que somos chamados corpo, família, para que um possa ajudar ao outro na fé e nas necessidades.

                O que quero deixar para reflexão hoje se resume a uma frase: Não seja pedra de tropeço.

Luz e verdade na vida cristã.

Primeiro post de 2016; primeiramente quero desejar a todos os leitores do blog que tenham um bom ano novo, abençoado e cheio de vitórias, persistam no Senhor e estarão guardados.
Estou realizando uma série de pequenos estudos, aproveitando o período de recesso para estudar a palavra de Deus; infelizmente o teclado do meu notebook estragou e estou usando o computador da minha mãe, assim, quando eu puder trarei outros textos sobre minhas conclusões e talvez isso demore um pouco.
Um conceito que sempre me chamou a atenção foi o conceito de verdade. O que é verdade? No dicionário, verdade é a realidade, sinceridade, princípio certo. Bem simples. Porém estudando alguns autores seculares, que não vou citar aqui para não fugir do ponto a que quero chegar, dizem que a verdade pode ter muitas facetas, a verdade histórica é aquela que muda, é como a cultura que em um tempo aceita determinado comportamento como normal e em outro tempo vê a mesma coisa como algo inaceitável. As verdades mudam e se transformam conforme a cultura, o lugar e os indivíduos.
Pensando sobre isso, veio à memória o versículo de Jeremias 17:9: “O coração do homem é enganoso, mas o Senhor o conhece”. O coração humano pode enganar a própria pessoa, a verdade humana é tão falha e cheia de brechas, que até nossos planos, que parecem ser bons, podem ser mudados pelo Senhor, pois ele pesa o Espírito e é onisciente (Provérbios 16), Ele é a verdade perfeita.
                Em contraste com a verdade humana, temos a verdade de Deus, verdade absoluta, exata, foge dos nossos conceitos, está além do nosso entendimento. Ele é a verdade,  por ela nós recebemos perdão e por temer a Deus nos afastamos do erro, do engano do pecado (Provérbios 16:6). Jesus é a própria verdade (João 14:06), Ele é a luz do mundo (João 8:12), a luz traz tudo à visão, tanto as boas coisas quanto as más, a luz só apresenta a verdade.
                O juízo de Jesus é verdadeiro, pois além de ser a verdade, Ele conhece o tempo, Ele sabe de onde vem e para onde ia, nós julgamos pela carne, isso afeta a nossa visão da verdade (João 8:14). Se é Cristo o caminho, a verdade e a vida (João 14:06) e Deus que o enviou está com Ele (João 8:29), basta conhecer a Cristo para que a verdade nos liberte (João 8:32), Jesus também é luz, a luz que traz a verdade, quem anda com Ele não andará em trevas (João 8:12).
                Quando acendemos uma lâmpada a luz mostra tudo que está ao redor, seja o que for; quando aceitamos a luz em nossa vida, todas as nossas obras são reveladas (Lucas 8:16), as escamas caem de nossos olhos, e, assim, como Paulo, podemos enxergar (Atos 9:18). Ora, se estamos em Cristo que é luz, somos filhos da luz (1 Tessalonicensses 5:05) e como tais nos tornamos portadores da luz e da verdade; nossa luz ilumina o mundo, em semelhança a Jesus, e nossas boas obras servem de exemplo, para que o Pai seja glorificado (Mateus 5:16), a luz não é feita para ser escondida, mas para iluminar a todos. Nossas próprias obras serão vistas pelo mundo, mas não pelo nosso próprio testemunho, não “tocaremos trombetas” diante de nós, pois isso é coisa de hipócritas (Mateus 6:2); até nossa oração deve ser discreta, assim o Pai nos recompensará (Mateus 6:6).
                A luz, que é Cristo, nos mostra o engano, tendo consciência do pecado, queremos nos afastar do erro. A luz não convive com as trevas e nós não podemos servir a dois senhores (Mateus 6:24). Tudo aquilo que é feito em oculto é revelado diante da luz do Senhor (Lucas 8:16), devemos ter uma vida transparente, distante da hipocrisia, corrigindo nossas falhas (Mateus 7:5) para que assim, como vasos de barro, quebrados e feitos de novo (Jeremias 18:04), possamos guiar outras pessoas à fé, não como cegos que, sem ver a luz, tentam guiar outros (Lucas 6:39), mas como verdadeiros filhos da luz, que, conhecendo a verdade, aceitam o chamado de ir e pregar o evangelho (Mateus 28:19).
A verdade subjetiva do mundo é cheia de sombras e falhas assim como o próprio homem; essa verdade torta é vista de forma diferente por cada um. Quando o engano foi infiltrado no Jardim do Éden, o ser humano cedeu facilmente ao se coração enganoso ao buscar um conhecimento que supostamente lhe revelaria a verdade, um conhecimento que o seduziu. Ali, Adão e Eva negaram a Verdade, o verbo vivo, aceitara o engano em suas vidas e a partir disto a humanidade decaiu.
                Deus, e Cristo que estava nEle, é a verdade, e essa é objetiva, clara e sem falhas, pois não é homem ou filho do homem para mentir ou se arrepender (Números 23:19), Ele é o único onisciente e justo; de um ser perfeito só pode vir algo igualmente bom, perfeito e agradável como a Sua vontade (Romanos 12:02), mas para termos isso em nossa vida é necessários estar à disposição do reino e ter coragem para enxergar nossas falhas e permitir que Deus nos conserte, permitir que Ele quebre o vaso, amasse e faça de novo, um processo que pode ser complicado para o ser humano, mas que nos enche de poder e autoridade diretos do Pai e nos torna canal de bênçãos, luz para os que vivem em trevas e mensageiros preparados para levar o evangelho da paz, revestido da armadura de Deus (Efésios 6:15).
                Cristo, a verdade, subiu ao Céu, mas rogou ao Pai que enviasse um consolador, que estaria conosco para sempre, o Espírito da verdade, o seu Espírito, que somente os que andam na luz podem conhecer e habita em nós (João 14:16).
                Cristo é luz, é vida (João 1:04), as trevas não prevaleceram contra a luz (João 1:05), Cristo nos diz para termos bom ânimo, porque Ele venceu o mundo (João 16:33); logo, o mundo é trevas e jaz no maligno, mas nós somos de Deus (1 João 5:19) e todo que é nascido de Deus crê em Cristo e vence o mundo (I João 5:04), assim como Cristo vence o pai da mentira e seus filhos (João 8:44).

Sabemos quem é a verdade e para alcançá-la é fácil, basta entregar nossa vida a Jesus, ele nos traz a luz e apresenta o caminho para o Pai. Essa é a verdade.






Layout base por Julie Duarte ♥ Modificado e customizado por Segredo Feminino